5 formas de transformar a experiência do cliente com a inteligência artificial

Entre múltiplos usos e aplicações, tecnologia tem potencial para empoderar indivíduos para o autocuidado enquanto dá mais tempo a profissionais para praticarem uma medicina humanizada

1751122021062360d39ec0c84d0.jpeg

inteligência artificial é uma ferramenta essencial ao aprimoramento do setor de Saúde. Entre seus usos mais comuns estão a detecção de achados diagnósticos, especialmente na radiologia, e o monitoramento ativo de pacientes internados. Mas há outras possibilidades para essa tecnologia, com destaque para aquelas relacionadas à experiência do paciente e do profissional, que têm potencial para transformar a gestão do cuidado e o autocuidado em um futuro bem próximo. 

 

Um levantamento da consultoria norte-americana Tractica, realizado em 2018, aponta que o mercado de IA deve seguir em alta no mundo, com estimativa de movimentar US$ 34 bilhões de dólares (o equivalente a mais de R$ 176 bilhões) até 2025. Os destaques serão as áreas que facilitam a tomada de decisão do médico, como a análise de imagens e de eficiência para novas drogas, além de recomendações terapêuticas.  

 

A capacidade de melhorar a experiência do cliente com o sistema de Saúde também será uma grande aposta do desenvolvimento da tecnologia. Quem garante é Cezar Taurion, vice-presidente da Cia Técnica Consulting e sócio de Transformação Digital & Economia da Kick Corporate Ventures.  “O maior ganho que a inteligência artificial pode dar ao cliente é o empoderamento", constata. 

  

Taurion exemplifica: com smartphones, o cliente pode ser monitorado continuamente e, por isso, qualquer anomalia é rapidamente identificada. “A tecnologia dá mais condição de vida a todos, pois permite que o próprio cliente assuma o controle de sua saúde”, resume Taurion, lembrando que aos poucos a medicina vai se transformando e “deixa de ser corretiva para ser preditiva, deixa de ser esporádica para ser contínua, até ficar cada vez mais personalizada.”  

 

Entre as áreas onde a inteligência artificial pode transformar a experiência do cliente estão a prevenção de doenças e o estímulo ao autocuidado; a melhoria da gestão do cuidado ao evitar possíveis erros e eventos adversos; o monitoramento de pacientes crônicos e, eventualmente no caso de cirurgias, o pós-alta para acompanhar a evolução. “Tudo isso reduz as idas desnecessárias às emergências e clínicas médicas, ampliando, também, a segurança do paciente quando ele está dentro e também fora do sistema”, destaca o especialista.  

 

Acompanhe agora 5 formas de transformar a experiência do cliente usando a IA na Saúde: 

 

  1. Potencializar o papel do médico 

O uso de um assistente virtual que seja de fato inteligente - não como os atuais chatbots de marcação de consultas e exames - pode ajudar o próprio cliente a realizar uma boa triagem a partir dos sintomas relatados. “Esses assistentes virtuais seriam como um segundo médico, complementando o diagnóstico do especialista e apresentando prognósticos”, acredita Taurion.  

 

  1. Prevenir eventos adversos agudos 

Hoje o sistema de Saúde é pensado para que o cliente precise sentir algo ou até mesmo chegue a desenvolver eventos agudos para que receba ajuda médica apropriada. Mas a inteligência artificial pode prevenir que isso aconteça, alterando a mentalidade da gestão em Saúde e do próprio paciente: “Há tecnologia suficiente até mesmo para impedir que um infarto agudo do miocárdio aconteça. Isso graças a achados científicos que identificam a presença de microexpressões no rosto que antecedem o infarto. Assim, uma câmera dotada desse tipo de inteligência artificial pode alertar para o risco iminente e encaminhar o cliente ao pronto-atendimento antes do infarto acontecer”, descreve Taurion. 

 

  1. Eliminar consultas presenciais desnecessárias 

“A inteligência artificial pode dar hoje ao médico um recurso escasso: o tempo”, constata Taurion, lembrando que a tecnologia tem enorme potencial de evitar que o médico perca momentos preciosos da consulta digitando dados do cliente no sistema. “Ela ainda pode servir para o acompanhamento e o monitoramento a distância e, assim, sempre que  acontecer uma consulta presencial, o médico poderá de fato usar o momento para conversar com o cliente.” 

 

  1. Monitorar  e acompanhar sinais vitais 

Por meio de aplicativos de smartphones, o cliente já consegue acompanhar dados importantes sobre a própria saúde, como os batimentos cardíacos, o ciclo do sono e o nível de glicose do sangue. “Ao tirar uma foto, a inteligência artificial consegue avaliar a íris e as microexpressões que podem indicar se algo não vai bem. Dá também para fazer eletrocardiograma pelo celular e, pela tosse, acompanhar como está a saúde pulmonar”, dia Taurion, listando os benefícios e lembrando que todos os dados permanecem  armazenados nos aplicativos e podem ser integrados a sistemas de gestão em instituições que adotam a Saúde Digital como estratégia. Assim, ganha-se em qualidade de assistência e, consequentemente, na experiência positiva do cliente. 

 

  1. Dar acesso a uma medicina mais humanizada 

inteligência artificial dá tempo para que o médico possa olhar seus clientes como pessoas e não como uma página de exame a ser analisada. “Por isso, o meu lema é que nós precisamos tirar o robô de dentro do médico e tornar a medicina mais humana”, destaca Taurion.  

 

Para alcançar essas e outras transformações, é fundamental utilizar a IA combinada a outras tecnologias, escalando o potencial da transformação digital com foco no cliente, em suas vivências, no que ele sente e, principalmente, na experiência que tem quando está dentro e também fora da organização de Saúde.  

;